Menu
Busca Qua, 13 de novembro de 2019
(47) 99975-9521
Semifinal histórica

Trio de flamenguistas sai de Blumenau para realizar uma das maiores loucuras que já fizeram na vida

Edimar, Eduardo e Pablo saíram de Blumenau para realizar o sonho de ver um jogo do Flamengo no Maracanã lotado

24 outubro 2019 - 18h46Por Edemir Júnior

Se você é um apaixonado por futebol, qual loucura faria pelo seu clube do coração? Um trio de blumenauenses flamenguistas resolveu fazer uma viagem que, muito provavelmente, vai ser uma das maiores loucuras que já fizeram na vida. De Blumenau ao Rio de Janeiro, são aproximadamente 1000 km por terra ou 750 km em linha reta, de acordo com o Google. Edimar Russi, Eduardo Cardoso e Pablo Kasburg saíram de Blumenau na quarta-feira (23) de manhã, pegaram um avião em Navegantes, às 14h, assistiram ao jogo Flamengo 5x0 Grêmio, no Maracanã, e nesta quinta-feira, no mesmo horário em que partiram, já estavam de volta para seus respectivos trabalhos. Mas calma, que vamos contar essa história direito.

Tudo começou ainda nas primeiras semanas de setembro. Apesar de muito fanático pelo clube do coração, Edimar nunca tinha assistido a um jogo do Flamengo no estádio, sempre pela TV. No dia 07 de setembro, jogaria em Florianópolis, Avaí x Flamengo e o fanático flamenguista finalmente iria conseguir realizar seu sonho, de ver o “Mengão”, como ele mesmo chama, ao vivo. No entanto o Avaí, clube catarinense, acabou vendendo seu mando de campo para Brasília, no estádio Mané Garrincha, onde ficou completamente inviável sair de Blumenau para ver o jogo. Edimar então teve a brilhante ideia: ver o Flamengo no Maracanã. 

“Pensei: poxa, preciso ver esse Flamengo, é histórico. Então, conversando com o Pablo, que joga futebol comigo, falamos que esse Flamengo x Grêmio era um jogo pra ir ver, decisivo. Disse pra ele: cara, esse é o jogo pra gente ir, já que não deu aqui em Floripa. E aí começamos a agilizar isso e não foi fácil. Primeiro porque não tinha ingresso, era só para sócio. A gente não era. Viramos sócio e conseguimos comprar na última categoria, no último setor disponível. Abriu para venda às 18h de uma segunda-feira e às 18h10 já não tinha mais, levamos sorte de conseguir”, conta Edimar Russi.


Edimar, Eduardo e Pablo no aeroporto de Navegantes. Foto: Divulgação.

Pelo jogo ser no meio de semana, no final do mês, ficou impossível do trio blumenauense ficar mais tempo no Rio de Janeiro. Menos de um dia era o que eles tinham. Então, tiveram que comprar passagem de ida às 14h, saindo de Navegantes na quarta, dia do jogo, e a volta para as 7h50 do dia seguinte. O trio não iria se quer a um hotel: viriam de volta para Santa Catarina, direto, após o jogo. Portanto, na quarta-feira (23), pegaram o vôo de Navegantes para São Paulo e de lá para o Rio de Janeiro. Edimar, Pablo e Eduardo chegaram por volta das 18h no aeroporto Santos Dumont, ficaram duas horas na fila para buscar os ingressos do jogo na loja do Flamengo, que fica dentro do aeroporto, e somente às 20h saíram rumo ao Maracanã. Detalhe: o jogo começava às 21h30. 

“Chegamos no Maraca e nossos ingressos eram no portão C, setor Sul. Mas todo mundo falou que não podia ficar vendo o ingresso na rua, pois corria risco de ser roubado. Então, a gente não lembrava qual era a letra do setor e pedimos só pelo setor Sul. As pessoas indicaram ir para a esquerda. A gente foi andando, começamos a ver que tinha letras e percebemos que estávamos no lado errado. Resumo: demos a volta toda no Maracanã. Perdemos uns 20 minutos ali, pois é gigante. Conseguimos entrar no estádio só às 21h, bem quando o time estava entrando para aquecer. Foi fantástico”, lembra Edimar.

Durante o jogo foi só festa. O Flamengo goleou o Grêmio por 5 a 0, com dois gols de Gabigol, um de Bruno Henrique, Pablo Mari e Rodrigo Caio. Mais de 65 mil torcedores estiveram presentes na partida. De quebra, a equipe carioca garantiu vaga na final da Libertadores, o torneio mais importante das Américas. Russi afirma que o jogo vai ficar marcado para sempre na sua memória e também na de todos os flamenguistas: “Acabando o jogo, ficamos lá comemorando ainda, pois foi uma partida histórica. Podemos dizer que a gente presenciou uma das maiores partidas da história do Flamengo, pois não é fácil fazer cinco gols no Grêmio, em uma semifinal de Libertadores. 

Edimar realizando o sonho de ver o clube do coração no Maracanã. Foto: Divulgação.

Após toda a euforia pelo resultado e de toda a festa que a torcida fez, o trio blumenauense saiu do Maracanã direto para o aeroporto de novo. “Saímos, aquela loucura, pegamos um Uber e voltamos para o aeroporto de novo. Chegamos uma e pouco da manhã, mas só abria às 4h. Então, ficamos na frente do aeroporto, sentados, esperando  abrir. Depois que abriu, nós ficamos esperando até 7h50, horário que era o nosso vôo de volta, sem dormir”, relata o Flamenguista, que ao meio-dia desta quinta-feira (24), já estava de volta a Santa Catarina.

Agora, o Flamengo enfrenta o River Plate, da Argentina, na final da Libertadores. Pela primeira vez na história, a decisão será em jogo único, com campo neutro. O jogo está marcado para o dia 23 de novembro, no estádio Nacional do Chile, em Santiago. “É um pouco difícil, mas vamos dar uma olhada. Numa dessas, capaz de aparecermos no Chile para trazer o bicampeonato da Libertadores para o Mengão, pois tenho certeza absoluta que o Flamengo vai ser campeão esse ano”, finaliza um esperançoso Edimar Russi.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Movimento Social
O Vale Europeu também tem Rap
Sustentabilidade
Coleta Seletiva de Blumenau cresce 96% em 2019
Comunidade
Catarinenses se unem para fazer um Natal melhor através da solidariedade
Segurança
Cai o número de furtos em residências de Blumenau
Saúde
A importância do acompanhamento oftalmológico infantil
Cultura
Sasha Benner Bauer é a nova rainha da 37ª Oktoberfest
Oktoberfest Blumenau
Primeiro fim de semana da Oktoberfest de Blumenau bate recorde de público
Esporte
Pela primeira vez, Blumenau será sede dos Jogos Escolares da Juventude
Saúde
Casos de Sífilis aumentam 200% em Blumenau
Projeto Social
Trabalhando para fazer o bem: Trapamédicos levam alegria aos hospitais de Blumenau