Menu
Busca Qua, 12 de agosto de 2020
(47) 99975-9521
Comunidade

Catarinenses se unem para fazer um Natal melhor através da solidariedade

Projeto solidário arrecada roupas e alimentos para famílias carentes no final de ano

11 novembro 2019 - 13h30Por Rebeca Nogueira

Empatia é saber se colocar no lugar dos outros, e a Letícia Ferreira sabe muito bem como fazer isso.  Depois de enfrentar uma luta contra um câncer  começou a ver as coisas de uma forma diferente e a valorizar as pequenas coisas que a vida proporciona. O projeto Uma andorinha só não faz verão começou após uma conversa com uma amiga. ‘’Nós estávamos falando a respeito do quanto temos e não damos o valor devido. E quantas pessoas passam por necessidades básicas ‘’ avalia Letícia. 

O projeto começou a quatro anos, depois de uma postagem feita por Letícia em suas redes sociais pedindo arrecadações de toucas e lenços para os pacientes oncológicos de quimioterapia do hospital de Lages. Mais tarde, outros projetos começaram a crescer.

Letícia Ferreira Idealizadora do projeto. Foto: Arquivo Pessoal 

Neste ano para dar o um Natal mais digno para pessoas carentes, Letícia começou a campanha Um Natal feliz. O objetivo é arrecadar donativos como alimentos, produtos de higiene, limpeza e alimentos não perecíveis. Os donativos serão montados em cestas básicas  e distribuídos para as famílias catarinenses de baixa renda. 

Infelizmente a realidade de famílias que passam fome é mais próxima do que parece. "Tenho várias amigas professoras da rede pública que convivem diariamente com uma realidade infeliz, socialmente falando’’, lamenta a idealizadora do projeto. Mas, felizmente existem várias pessoas que se sensibilizam com o projeto e se voluntariam para fazer ele crescer.
 
Atualmente, Letícia não sabe dizer quantas pessoas são voluntárias no projeto, mas tem a certeza de  que todos eles têm o mesmo objetivo: Fazer o mundo um lugar melhor. Acredita que solidariedade é você doar o que te faz bem e não a roupa que não serve mais ou o sapato que saiu de moda.  "Acredito que bem mais valioso que uma grande conta bancária, um carro do ano, uma enorme casa. O legado que quero deixar para os meus, é que vim sem nada e voltarei sem nada. Quero que as pessoas se lembrem de mim pelo que fiz, e não pelo que deixei’’, fala Letícia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Especial
Identidades de Blumenau
Esporte
Blumenau já foi rica em estádios
Desafios
O novo modo de criar conteúdo em tempos de pandemia
Cultura
Participação feminina na cultura cervejeira
Coronavírus
Esporte blumenauense têm dificuldades para arcar com os compromissos
Trânsito
Empoderamento feminino sobre rodas
Coronavírus
Jornalismo na Pandemia: a atuação de jornalistas catarinenses pelo mundo
Mulheres na política
Catarinenses ainda têm baixa representatividade e apoio político
Esporte
Futebol em Blumenau: perspectivas para uma cidade sem estádios
Cultura
Ayahuasca em SC: difusão de chá amazônico servido em rituais ganha força no Estado