Menu
Busca Qua, 13 de novembro de 2019
(47) 99975-9521
Literatura

Escritor blumenauense é selecionado como finalista do Prêmio Jabuti

Por sua obra "Enclave", Marcelo Labes concorre ao maior prêmio de literatura do país

13 outubro 2019 - 13h00Por Júlia Beatriz

Na literatura, um poema expressa pensamento e sentimentos de quem está escrevendo, e é isso que o escritor blumenauense Marcelo Labes, busca passar em cada verso, que além de transmitir seus sentimentos, traduz o que está acontecendo no Brasil, a realidade vivenciada todos os dias.

Pode-se dizer que a história de Marcelo começou cedo, em um dia de aula de Língua Portuguesa, no ano de 1995, onde escreveu seu primeiro poema. Desde lá, o interesse cresceu mais, até que resolveu conhecer a tradição literária de Blumenau e publicar seu primeiro livro, há 11 anos. “Parece que não pode haver uma história, mas uma sequência de histórias minhas na literatura e da literatura para comigo”, comenta o escritor.

Com nove obras publicadas, entre elas Enclave (Patuá, 2018), finalista do Prêmio Jabuti, mais tradicional prêmio literário do Brasil, o escritor conta que cada livro tem um momento marcante em sua história na literatura: “Quando publiquei meu primeiro livro, achei que seria lido, interpretado, resenhado. Isso só foi acontecer sete anos depois, com a publicação do Porque sim… Já O filho da empregada teve uma importância interna bem maior, já que exorcizei alguns demônios ali. Trapaça foi um livro publicado via financiamento coletivo e me abriu muitas portas”. 

Livro Enclave, de Marcelo Labes
Foto: Divulgação Marcelo Labes

A obra Enclave é um livro-manifesto, com edição de Eduardo Lacerda, trazendo como assuntos principais o racismo e o fascismo. Quando avisado que seu livro foi um dos finalistas do Prêmio Jabuti, Marcelo não conseguiu conter a alegria e gratidão pelo seu livro ser reconhecido em um prêmio tão importante para a Literatura. “Dei um berro, abri um sorriso, abracei minha companheira, fui abraçado, recebi os parabéns e estou até agora sob o impacto de que Enclave foi lido com atenção pelos jurados, que viram nele um bom livro de poemas”, conta.

“Quando escrevo ao computador, faço isso na sala de casa, à mesa, com uma xícara de café e um cigarro aceso. Quando a urgência é manual, não interessa o lugar: papel e caneta à mão, sempre”

Marcelo Labes

Entre experiências no dia a dia, o escritor busca sempre guardar imagens, falas, cenas e sons, para utilizar mais tarde em algum poema. “Como tenho algumas linhas de escrita, procuro sempre “guardar” essas imagens em gavetas diferentes. Interessante é quando as referências se cruzam, as linhas de interesse se invadem, e o texto sai plural. Escrever, no entanto, é sempre um processo catártico. Aquelas referências todas fazem seus vínculos e o que precisa ser dito, é dito. Não gosto da ideia de iluminação, de que o poeta e o escritor são serem que são iluminados e escrevem. Mas gosto de pensar que o texto é quem me ilumina. O que devo fazer, neste caso, é permitir enxergar essa luz”, conclui Marcelo.

Obras

  • Falações (2008, EdiFurb);
  • Porque sim não é resposta (Hemisfério Sul/Antítese, 2015);
  • O filho da empregada (Hemisfério Sul/Antítese, 2016);
  • Trapaça (Oito e Meio, 2016);
  • Enclave (Patuá, 2018);
  • O poeta periférico (Edição do autor, 2018);
  • Paraízo-Paraguay (Caiaponte, 2019);
  • Antissonetos & outras formas (Edição do autor, 2019);
  • Poemas de Condomínio (Edição do autor, 2019).

Deixe seu Comentário

Leia Também

Movimento Social
O Vale Europeu também tem Rap
Sustentabilidade
Coleta Seletiva de Blumenau cresce 96% em 2019
Comunidade
Catarinenses se unem para fazer um Natal melhor através da solidariedade
Segurança
Cai o número de furtos em residências de Blumenau
Saúde
A importância do acompanhamento oftalmológico infantil
Cultura
Sasha Benner Bauer é a nova rainha da 37ª Oktoberfest
Oktoberfest Blumenau
Primeiro fim de semana da Oktoberfest de Blumenau bate recorde de público
Esporte
Pela primeira vez, Blumenau será sede dos Jogos Escolares da Juventude
Saúde
Casos de Sífilis aumentam 200% em Blumenau
Projeto Social
Trabalhando para fazer o bem: Trapamédicos levam alegria aos hospitais de Blumenau