Menu
Busca Sex, 05 de junho de 2020
(47) 99975-9521
Projeto Social

Liga Super-Ação realiza trabalho voluntário em Blumenau

O projeto social busca levar alegria de forma mágica, para pessoas que estão passando por um momento difícil

22 outubro 2019 - 13h00Por Júlia Beatriz

Levar alegria para pacientes em hospitais, asilos e orfanatos, tornando o ambiente mais descontraído e fazendo surgir um sorriso no rosto de cada pessoa que está passando por uma fase difícil. Essa é a principal missão de diversos projetos sociais espalhados pelo Brasil. Especialmente em Blumenau, a Liga Super- Ação busca visitar as pessoas, de forma voluntária, há um ano e três meses.

O projeto surgiu a partir de uma ideia do Júlio Cesar Raulino, fundador e Presidente da Liga, que sempre visitava hospitais e gostava de fazer a diferença. Com a ajuda da noiva Aline Heloisa da Silva, em janeiro de 2018 começaram a pensar em metas e objetivos a serem desenvolvidos. Após seis meses planejando cada detalhe, o projeto começou a realizar suas ações. No início eram apenas cinco voluntários, mas atualmente já são 26 pessoas na cidade e 14 voluntários em Jaraguá do Sul, onde o projeto ganhou sua extensão.

Entre as ações realizadas pela liga estão: visitas nos hospitais Santo Antônio, Santa Catarina e Santa Isabel, em Blumenau; Hospital Maternidade, em Jaraguá do Sul; ação de Páscoa em creches carentes da cidade e dia das crianças em orfanatos. “Somos um grupo de Super-Heróis, princesas e fadas! A Liga tem como intuito fazer visitas nos hospitais, asilos e orfanatos da cidade. As visitas são feitas com os trajes de heróis, princesas ou fadas. Deixamos o ambiente hospitalar lúdico e descontraído. Fazemos as visitas nos quartos dos pacientes em dupla ou em trio”, explica Júlio.

Para levar diversão para as crianças, os voluntários, vestidos de personagens, buscam tornar aquele momento mágico, alegrando os pequenos e realizando um projeto de contação de histórias, no Hospital Santo Antônio. Já na Páscoa, o foco é fora dos hospitais. As visitas acontecem em creches com crianças carentes. Durante o momento, são entregues cestas, ocorrem brincadeiras, pinturas faciais e diversas atividades. Além disso, o projeto ajuda em pedágios de instituições sem fins lucrativos. "Em média, visitamos 90 pessoas, entre crianças e adultos. Somente nos hospitais, já visitamos no total em um ano e três meses de liga, 1.352 pessoas”, afirma.

 A Liga Super-Ação também já realizou ações no Hemosc, em Blumenau. Foto: arquivo Liga Super-Ação

O fundador do projeto acredita que em um país com desigualdade social evidente, os projetos sociais fazem toda a diferença. Para ele, o trabalho voluntário é amor e faz acreditar que todos podem fazer do mundo um lugar melhor, e é isso que a Liga Super-Ação está desempenhando a cada visitação realizada. “Trabalhamos com muito amor, carinho e dedicação, isso é ser um voluntariado. Com toda certeza nossa presença nos hospitais, creches e orfanatos faz a diferença na vida dessas pessoas. Lembro-me de uma visita muito especial. O paciente, uma criança enfrentando a leucemia, é fã do Batman. Fizemos uma visita muito especial com bolo do Batman, balões, e a super visita dele.  Brincamos, conversamos e aquele momento foi único. A criança ficou tão feliz! Ele deixou a doença de lado e focou no momento lúdico”, conclui Júlio.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Esporte
Futebol em Blumenau: perspectivas para uma cidade sem estádios
Cultura
Ayahuasca em SC: difusão de chá amazônico servido em rituais ganha força no Estado
Rede Social
Mães no Instagram: histórias compartilhadas e a criação de uma comunidade
Esporte
Coronavírus: As dificuldades da imprensa esportiva do Vale do Itajaí
Empreendedorismo
Mulheres empreendedoras: conheça histórias inspiradoras de lideranças do Vale do Itajaí
Perfil
Quebrando paradigmas: conheça a história da bombeira militar Carolina
Coronavírus
Jornalismo na Pandemia: o cotidiano dos profissionais da área em SC
Entretenimento
Empreendedorismo em podcast: quem faz o Donas da [email protected]#$% Toda
Podcast
Podcasts para ouvir durante a quarentena
Comércio
Comércio de rua abre as portas com restrições no atendimento