Menu
Busca Qua, 13 de novembro de 2019
(47) 99975-9521
Projeto Social

Trabalhando para fazer o bem: Trapamédicos levam alegria aos hospitais de Blumenau

Com um nariz vermelho, vestidos de palhaços, os voluntários visitam pacientes e arrancam sorrisos no momento de tristeza

03 novembro 2019 - 13h30Por Júlia Beatriz

A história dos trapamédicos começou em 2006, quando Adriana Kreibich da Costa, fundadora do projeto e atual presidente, começou os trabalhos como Dra. Biscoito. Ao longo dos anos, diversas pessoas destinaram parte do seu tempo para realizar o trabalho e, atualmente, a equipe conta com cerca de 70 voluntários, entre eles palhaços, o projeto Trapapet, diretoria e conselho fiscal.

O projeto começou a partir da Dra. Biscoito Foto: arquivo Trapamédicos

Com o nariz vermelho, em duplas de palhaços de hospital, os voluntários buscam transformar o ambiente por onde passam, encantando adultos e crianças nos hospitais Santa Isabel, Santa Catarina, Santo Antônio e Clínica Renal Vida. Durante os plantões, cuidam do paciente, acompanhante e colaboradores das instituições. “Também temos o Projeto Alecrim, que leva música para UTI Neonatal e ala psiquiátrica do hospital”, conta Adriana.

No ano de 2013, a equipe cresceu com a chegada do Trapapet, que são cães com acompanhamento veterinário, avaliações comportamentais e de saúde, acompanhados dos seus donos. “O Trapapet busca promover a saúde e melhorar a qualidade de vida dos assistidos, nos âmbitos sociais, físicos, cognitivos e emocionais, sendo pessoas hospitalizadas, crianças e idosos que vivem em situação de vulnerabilidade. Atualmente as visitas são realizadas mensalmente na psiquiatria do Hospital Santa Catarina e no asilo São Simeão”, afirma.

Trapamédicos e Trapapet Foto: arquivo Trapamédicos

Durante os 13 anos do projeto, mais de 56 mil pessoas foram atendidas e neste ano, até o dia 16 de outubro, foram ao total 3.714 pacientes visitados pelos Trapamédicos e 201 pelo Trapapet. Os voluntários do projeto são formados em técnicas de voluntariado em ambiente hospitalar, técnicas de clown e todos os anos precisam cumprir horas de TrapaTreinamento, sendo que, por meio de um sistema, é possível controlar a escala e informações sobre o projeto.

Adriana acredita que a transformação do ambiente, a alegria e a leveza que os voluntários deixam ao sair do quarto, são os maiores efeitos causados nos pacientes. “Em qualquer parte do mundo que se realize um trabalho voluntário, com verdadeiro foco e propósito, esse é de grande importância. É um ato de amor, que o voluntário se doa sem esperar nada em troca, mas recebe muito”, conclui a presidente do projeto.

Vídeo Trapamédicos 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Movimento Social
O Vale Europeu também tem Rap
Sustentabilidade
Coleta Seletiva de Blumenau cresce 96% em 2019
Comunidade
Catarinenses se unem para fazer um Natal melhor através da solidariedade
Segurança
Cai o número de furtos em residências de Blumenau
Saúde
A importância do acompanhamento oftalmológico infantil
Cultura
Sasha Benner Bauer é a nova rainha da 37ª Oktoberfest
Oktoberfest Blumenau
Primeiro fim de semana da Oktoberfest de Blumenau bate recorde de público
Esporte
Pela primeira vez, Blumenau será sede dos Jogos Escolares da Juventude
Saúde
Casos de Sífilis aumentam 200% em Blumenau
Serviço
Saque do FGTS impulsiona o e-commerce